sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Exercicio de Lingua Portuguesa III

Imagine uma sala.
Imagine 50 alunos.
Uma matéria: Lingua Portuguesa.
Um exercício.

Façam duplas com alguém que você não conheça, dizia o professor que tentava explicar o trabalho em meio a tantas vozes. Os alunos, como proposto na atividade, correram atrás de pessoas que não conheciam. Formaram os grupos e esperaram a próxima instrução do mestre.

De repente, o professor começa a falar:

- Agora, formadas as duplas, peguem uma caneta e uma folha. Uma mão você usará para escrever. A outra você usará para segurar a mão do outro do seu grupo.

Os alunos se interrogavam da razão daquilo. Uns temiam o que as suas duplas poderiam pensar, outros garagalhavam para encobrir a vergonha e uns poucos se negaram a dar as mãos por motivos ocultos. Feito a proposta, o professor disse que teríamos 10 minutos para escrevermos qualquer coisa, o que estivesse passando na nossa mente. Após o tempo sugerido, nasce o pouco escrito...


"Vazio...
nada na mente.
o ambiente se torna quieto
momento indiscreto
pessoas riem em meio ao pensar
não se expressam
refutam a idéia de algo diferente.

No silêncio, o caos interino se explode
sentimentos se zeram
pensamentos se esquecem
realidade estática.

Talvez, o pensar do meu eu se intensifica
esquecimento do presente
lembrança do café da manhã
situação anterior ao hoje, período de ontem.

Cancela o refletir,
nega o agora,
volta ao passado, viagem no presente
descaracterização do período diferente.

Vazio,
novamente o vazio..."